Arquivo do blog

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

- A graça e o governo de Deus


Para compreender melhor todo o relacionado com a salvação e o reino, é necessário saber que Deus tem estabelecido no universo dois sistemas que são, o sistema da graça e o sistema do governo de Deus.Por exemplo, a criação do homem é um ato do governo de Deus, e a vida do homem sobre esta terra, suas ações, suas responsabilidades, suas inter-relações, suas próprias formas de governo e constituições, requerem que se submeta ao governo de Deus, que obedeça esses princípios e dê conta ante Deus de seus atos, agora ou diante do trono judicial divino.Satanás caiu porque se rebelou contra o governo de Deus; logo caiu o homem e pecou deliberadamente, rebelando-se também contra o governo de Deus. Então, e por essa causa, foi adicionado o sistema da graça, para redimir e restaurar aos homens insubordinados e rebeldes, pois de outra maneira jamais poderiam submeter-se ao sistema de governo de Deus. Ninguém que não tenha sido redimido o tem logrado por seus méritos. Onde se encontram os redimidos e restaurados? Na Igreja, de maneira que o sistema da graça se relaciona com a Igreja, com a salvação, onde se espera que os filhos de Deus em Cristo se submetam ao governo de Deus.O governo de Deus atua desde a criação dos anjos; e quando Lúcifer se rebelou contra esse governo, foi expulso do céu. O governo de Deus atuou no jardim do Éden ao por o homem a cargo do mesmo, revestido de toda a autoridade para ele, mas expulsou dali quando caiu; porém atuou Sua graça ao prometer-lhe um Salvador. O governo de Deus atuou muitas vezes durante a peregrinação do povo hebreu pelo deserto; e muitos caíram debaixo do justo juízo de Deus e pereceram no deserto, e não entraram na terra prometida. O governo de Deus se pôs de manifesto quando Davi pecou e representou mal o governo de Deus, fazendo blasfemar os inimigos de Deus. Por Sua graça, o Senhor perdoou a Davi de seu pecado. Mas a disciplina lhe seguiu pelo resto de sua vida, primeiro com a morte do filho, fruto de seu pecado com Bate-Seba, a mulher de Urias, e logo lhe sobreveio que a espada (arma com a qual Davi havia feito o mal, a morte de Urias) jamais se apartou da casa de Davi (2 Samuel 12:7-14). A Bíblia está cheia de exemplos.Conforme o sistema da graça, o Senhor Jesus esteve nesta terra para salvar aos homens, mas conforme a Palavra de Deus, Ele também padeceu na cruz para estabelecer a autoridade de Deus e o reino dos céus sobre a terra. É essa mesma autoridade que recebeu Adão, mas que ele a entregou ao maligno quando pecou. Essa autoridade é restaurada ao homem em Cristo, o último Adão. "pregai que está próximo o reino dos céus" (Mateus 10:7). Os homens no mundo não conhecem o governo de Deus; isso só se conhece na Igreja, entre os vencedores. Há muitos irmãos que ignoram isto.O que acontece quando um crente não se submete ao governo de Deus? Todo crente tem sido perdoado de seus pecados passados pela graça. Mas a graça não tem posto de lado o governo, e os filhos são os primeiros a dar o exemplo. Se tu, sendo crente, tu que representas ao Senhor, pecas ou vives levianamente, não se submetendo ao governo de Deus, fazes que blasfemem os inimigos de Deus, estás buscando que te aconteça como aconteceu a Davi. Se confessas teu pecado, Ele é fiel e justo para perdoar-te, mas o perdão da graça que tens recebido de Deus, não muda Seu perdão de governo, não o afeta, e de acordo com a gravidade de teu pecado, pode ser que sejas tratado disciplinarmente. Moisés pecou, representou mal ao Senhor em Meribá, quando golpeou a rocha; Deus o perdoou, ele é salvo; apareceu na transfiguração do Senhor, mas não entrou na terra prometida, por causa do perdão do governo.Isto é sério, irmãos, de maneira que se um filho de Deus não alcança o ser julgado e castigado pelo Senhor enquanto está aqui na terra, seu pecado lhe alcançará diante do tribunal de Cristo em Sua vinda, na ressurreição da Igreja, e ali terá a disciplina do caso. É necessário que nos examinemos a nós mesmos à luz e convicção do Espírito."31 Porque, se nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados.32 Mas, quando julgados, somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo" (1 Co. 11:31-32).
Quanto mais se entender e se viver o sermão do monte, quanto mais humilde e pobre no espírito for o crente, mais podemos compenetrar com o governo de Deus e mais nos sujeitarmos a ele. O mundo não conhece isto, nem pode conhecê-lo; queira o Senhor que o conheça e o viva a Igreja. Nossa salvação é pela graça de Deus em Cristo, mas nossa conduta como crentes deve estar sujeita ao governo de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário