Arquivo do blog

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

- O novo nome de Cristo

"e o meu novo nome" (Ap. 3:12b). O vencedor de Filadélfia receberá um prêmio especial, o novo nome do Senhor Jesus Cristo. O nome do Senhor é o Senhor mesmo; o qual significa que Cristo é pertence do crente vencedor. O nome do Senhor tem sido forjado no crente vencedor. Qual é o nome novo de Cristo? Tu conheces o nome novo de Cristo quando experimentas de uma maneira nova ao Senhor. Para muitos santos Cristo já ficou velho, já ficou algo assim como uma vida religiosa rotineira; mas se tomas a decisão de vencer, Cristo chegará a ser novo para ti; sempre será teu alimento fresco. O vencedor de Filadélfia retém o nome do Senhor e a unidade do Corpo de Cristo. O vencedor de Filadélfia tem vencido a ruptura do Corpo de Cristo. É um erro pensar que para que haja unidade na Igreja é necessário que se leve a cabo sob a aparência do ecumenismo. Enquanto subsistirem as divisões denominacionais e sectárias não pode haver unidade. É um erro pensar que para que haja unidade na Igreja necessariamente deve haver uniformidade. Uma coisa é a uniformidade externa e outra a verdadeira comunhão do Espírito.Há ênfase doutrinárias que não revestem caráter fundamental, e que por fim não afetam a salvação nem rompem a unidade do Corpo; e há denominações que tem se formado e tem se apartado do resto do Corpo devido a que dão caráter fundamental a algo que a Escritura não tem como fundamental nem afeta a salvação. A este respeito vale a pena trazer a colocação às palavras do irmão Martín Stendal, em relação à Igreja: "Através da era da Igreja, tem havido muitos indivíduos e grupos envolvidos em "guerras" e com "sangue" em suas mãos, que vão tentando edificar o Templo do Senhor à maneira de determinada denominação, grupo ou movimento organizado. Estes intentos tem terminado por edificar monumentos mortos, ao invés de unir pedras vivas que seriam uma verdadeira luz para as nações. O homem mede o êxito pelo número de "fiéis", ou pelas instalações, ou pelos êxitos terrenos quando Deus o mede pela justiça e a retidão no coração, e por obediência a Seu ordenamento e a Sua Palavra".*(1) Também disse o irmão Grau: "Os mesmos reformadores não tentaram fundar uma nova religião, nem sequer uma nova Igreja. Tanto eles como nós temos um só Mestre. A mensagem da Reforma não nos diz que nos façamos luteranos ou calvinistas, senão cristãos".*(2)
*(1) Martín Stendal. O Tabernáculo de Davi. Colômbia para Cristo. 1998.
*(2) José Grau. Catolicismo Romano - Origens e Desenvolvimento. E.E.E.. 1987, pág. 543

Além disso, como temos vindo estudando na Palavra de Deus, o grau de maturidade e santidade dos irmãos biblicamente não é uniforme, nem tampouco se deve esperar uniformidade no procedimento e a ordem. Nem ainda nos vencedores há uniformidade espiritual. No reino, uns receberão melhores recompensas que outros. A posição no reino e mesmo na eternidade, no novo céu e a nova terra depende e é produto de nossa vida terrena depois de haver crido. Ser vencedor requer sacrifício, obediência e entrega, e quanto mais se escale aqui, se traduz em que teremos um nível maior no reino e na eternidade. Cada vez temos mais clareza de que nossa vida e andar com Cristo não se deve tomar levianamente.Quando se fala de vencedores é porque há crentes derrotados. Os que vencem são os cristãos espiritualmente normais; os demais irmãos continuam sendo nossos irmãos, mas são espiritualmente anormais. "4 porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.5 Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê ser Jesus o Filho de Deus?" (1 Juan 5:4,5).

Nenhum comentário:

Postar um comentário